terça-feira, 6 de novembro de 2012

Azay-le-Rideau: suprema harmonia de leveza, solidez, sonho e raciocínio

Azay-le-Rideau refletido na água ganha em beleza
Azay-le-Rideau refletido na água ganha em beleza
As águas plácidas do laguinho tão marcado pelo azul do céu e pelas árvores frondosas, refletindo o castelo de Azay-le-Rideau transmitem uma sensação paradisíaca.

Aquilo que é espelhado pela água toma um caráter de beleza celeste, de sonho, de irreal, de mundo das maravilhas, para dizer tudo numa palavra só, de paraíso perdido.

Tudo quanto se reflete ganha em beleza.

Azay-le-Rideau dá uma imagem de si mesmo sobre a água que vai muito além de sua beleza real, aliás, nada pequena.

Porém, sua maior beleza está na ideia originalíssima de construí-lo numa minúscula ilha sobre o rio Indre.

Azay-le-Rideau flutua todo leve sobre a água: ele é uma fantasia, uma coisa irreal, é um sonho.

O palácio merece ser considerado numa noite bonita de luar com as janelas, as mansardas, tudo aceso.

Podemos imaginar saindo de dentro os ecos de uma festa: os risos, a música, os perfumes, as luzes que tremem sobre o espelho d’água.

Tem-se a sensação de uma nau em que se leva uma vida de elevação, de requinte, de distinção, de nobreza, de grande classe.


Em suma, uma vida completamente diferente da vida contemporânea.

Veja vídeo
Azay-le-Rideau:
suprema harmonia
de leveza e solidez,
de sonho e raciocínio
Se há algo que é o contrário de um arranha-céus esmagador e de um prédio futurista escarrapachado no chão, se há algo de contrário ao cimento armado, é bem exatamente Azay-le-Rideau.

Ele parece não ter base e flutuar completamente na água.

Tudo nele é harmonia posta pelo espírito francês.

Ele foi construído entre 1518 e 1527 sobre uma fortificação antiga, por Gilles Berthelot, tesoureiro do rei Francisco I e alcaide de Tours.

As fortificações fingidas e as torres de menagem medievais deram um ar de nobreza tradicional ao tesoureiro do Rei.

Foi preciso que ele tivesse um ar muito medieval e as torrezinhas agudas contribuem muito para dar o porte de uma velha fortificação medieval.

Azay-le-Rideau na noite
Azay-le-Rideau na noite
O último eco de castelo é dado por torreões, que sugerem o resto de uma velha fortaleza medieval que, entretanto, não existiu.

Os torreões sugerem algo de sólido, atarracado, grande e que leva à sensação de estabilidade ao último ponto.

O misto de firmeza, estabilidade e delicadeza apresenta um contraste harmônico de qualidades opostas que acentuam seu encanto.

A extrema delicadeza se soma à estabilidade máxima com uma leveza diáfana.

O palácio não toca na terra, mas se conecta com ela por uma ponte.

E, em mais um contraste encantador, o palácio-castelo está envolto por uma arborização que parece puramente silvestre.

O palácio-castelo de sonho fica no meio do mato! Mas, que mato penteado, trabalhado, civilizado!

Se não tivesse mato, mas apenas grama, perderia o contraste.

Tudo parece espontâneo, mas na realidade tudo foi estudado com uma sagacidade extraordinária para produzir um efeito de conjunto.

Azay-le-Rideau palácio não toca na terra
Azay-le-Rideau palácio não toca na terra
Tudo foi feito com uma tal perfeição que a noção de harmonia nasce sem que a maior parte das pessoas possa discernir de onde ela nasceu.

O sumum do bonito da harmonia consiste, exatamente, em que a pessoa não possa definir no que é que essa harmonia consiste.

É necessária muita atenção e muita explicitação para se definir no que é que a harmonia consiste.

Azay-le-Rideau é uma sinfonia de harmonia que de início dá entusiasmo, mas depois resiste a uma longa indagação.

Por quê? Porque a análise dele satisfaz o espírito.

Azay-le-Rideau não produz impressões imediatas, violentas e sensoriais, mas comunica uma ordenação razoável e raciocinada, que satisfaz de modo repentino e profundo em virtude de algo ótimo e discreto que repercute aprazivelmente nos sentidos.

O castelo – ou, melhor, o palácio, pois nunca foi fortaleza – fica na comuna do mesmo nome, na França.

Quarto de dormir em Azay-le-Rideau
Quarto de dormir em Azay-le-Rideau
Seu construtor, Berthelot, caiu na desgraça do volúvel rei Francisco I e teve que fugir. Nunca voltou, deixando-o incompleto.

O palácio mudou muito de mãos, até que no século XX foi adquirido pelo governo. Ele é rodeado por um distinto parque à inglesa, com muitas espécies de árvores, especialmente coníferas exóticas.

No século XIX, o romanticismo cantou o charme de Azay-le-Rideau. Honoré de Balzac falava dele como “um diamante facetado colocado no Indre”.

Pousando no rio, emergindo da banalidade pantanosa, resplandece como um relicário e ao mesmo tempo um recanto de delícias que não parecem ser desta terra, mas do Paraíso.





GLÓRIA CRUZADAS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

2 comentários:

  1. Se o tesoureiro do rei Francisco I construiu esse lindo castelo, sugiro envia-lo ao tesoureiro do PT, Delubio Soares, sugerindo que ele construa um igual....

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.