terça-feira, 3 de setembro de 2013

HAUT-KŒNIGSBOURG: o “alto-castelo do rei”

Haut-Kœnigsbourg: imponente fortaleza protege vales e estradas
Haut-Kœnigsbourg: imponente fortaleza protege vales e estradas

O castelo de Haut-Kœnigsbourg é uma fortaleza medieval muito ligada à história alemã, mas que hoje faz parte da região francesa da Alsácia.

Seu nome significa “alto-castelo do rei”. O termo “alto” não se refere à elevação em que foi construído, mas à sua elevada categoria.

E, de fato, seu imponente perfil rodeado de bosques domina as planícies e irradia força, ordem e majestade.

No ano 774, Carlos Magno legou o morro de Staufenberg – sobre o qual foi construído Haut-Kœnigsbourg – e as terras vizinhas ao priorado beneditino de Lièpvre, que por sua vez era vassalo da abadia de Saint-Denis, sede dos túmulos da família real francesa na proximidade de Paris.

Após 1079, Frederico II, Duque de Suábia, o Caolho, criou uma linha defensiva composta de muitos castelos, inclusive em terras que não lhe pertenciam.

Foi assim que a primeira construção do castelo de Haut-Kœnigsbourg surgiu em plena ilegalidade sobre as terras dos monges da abadia de Lièpvre.

Em 1147, Eudes de Deuil, monge de Saint-Denis, apelou à intercessão do rei francês Luis VII junto ao rei Conrado III de Hohenstaufen para reparar a injustiça.

Haut-Kœnigsbourg: os imperadores romperam com o Papa e entraram em declínio
É a primeira menção feita ao castelo num documento escrito.

Naquela época a fortaleza contava com duas torres que permitiam vigiar a estrada que atravessava a Alsácia de norte a sul.

A região era estratégica, sobretudo para a poderosa família Hohenstaufen, à qual pertenceu Frederico Barbarossa, imperador do Sacro Império Romano Alemão.

A dinastia Hohenstaufen engajou-se numa guerra contra o Papado, da qual saiu extremamente debilitada e perdeu o Império.

Nesse contexto, os duques da Lorena assumiram a posse do castelo e o confiaram aos sires – pequenos senhores – de Rathsamhausen e, depois, aos Hohenstein, que ali instalaram o centro de governo de seu feudo.

Haut-Kœnigsbourg: aspecto do pátio interior.
Haut-Kœnigsbourg: aspecto do pátio interior.
Na decadência da Idade Média, os senhores feudais abandonavam com frequência os austeros castelos, procurando uma vida mais cômoda e voltada para os prazeres das cidades.

Desta maneira o castelo abandonado virou um covil de salteadores.

Para pôr fim à triste situação, a fortaleza foi conquistada e incendiada em 1462 por uma coalizão militar das cidades livres de Colmar, Strasbourg e Bâle (Suíça).

Os restos de Haut-Kœnigsbourg foram confiados em 1479à família Thierstein, que o reconstruiu, acrescentando torres e muros espessos.

Após a morte do último dos Thierstein, o imperador Maximiliano I comprou o castelo.

Em 1633, durante a guerra religiosa dos Trinta Anos, o exército protestante sueco tomou o castelo após bombardeá-lo durante cinquenta dias.

Em ruínas, o castelo foi relegado ao abandono.

Em 1871, a região da Alsácia voltou a ser alemã. Então o Kaiser Guilherme II de Hohenzollern quis criar um monumento à glória germânica.

Haut-Kœnigsbourg: sala de armas
Haut-Kœnigsbourg: sala de armas
Para isso encomendou não só uma restauração, mas uma criação nova de várias partes do castelo, reforma que durou de 1901 a 1908.

Não havendo planos nem documentos precisos sobre o antigo castelo, a imaginação teve sua parte, respeitando de maneira admirável tudo o que se podia considerar como de época.

Porém, a inspiração neogótica do século XIX prevaleceu, produzindo uma obra que, embora não inteiramente histórica, glorificou a imagem da Idade Média.

A mobília interior foi refeita nesse mesmo estilo.

O castelo tem algo de um navio de guerra que se lança por cima das ondas dos morros com segurança completa.

Ele olha para os vales onde passam caminhos estratégicos.

Sua silhueta avisa que irá interceptar qualquer grupo de bandidos ou inimigos que tentem perturbar a paz da região.

Com razão ele pode ser chamado “alto-castelo do rei”, uma vez que dispõe numa posição majestática (=que está no nível mais alto de todos).

Nada em sua arquitetura convida à moleza.

Também sua mobília fala de uma vida esplendorosa, mas austera e sacrificada.

Porém, se ele sacrifica tudo em aras da nobre função militar e real, Haut-Kœnigsbourg fala ao espírito valores e esplendores de uma nobreza imersa de cheio nas lutas da terra, mas com a alma olhando e apontando para o Céu.

Haut-Kœnigsbourg: vista aérea
Haut-Kœnigsbourg: vista aérea
Sua alta torre – a torre de menagem – é a parte mais central e nobre. Ela afirma o poder do senhor do castelo e imita a figura de um arcanjo descido de uma outra esfera.

Essa torre como que afirma: “Os valores que eu encarno estão aqui, encravados para sempre, porque eles nunca morrem. E sua razão de ser mais alta está em Deus, de quem o grande rei que me possui é apenas uma imagem temporal”.



GLÓRIA CRUZADAS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Um comentário:

  1. Tive o prazer de visitar este castelo em 2002, lindo demais!

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.