terça-feira, 30 de julho de 2013

O morador do castelo: forte, herói, dando a vida pelos súbditos

Castelo de Yvoire, Suíça
O senhor feudal era homem forte, vigoroso, destro nas artes da guerra.

Desde muito jovem, com doze, treze anos, já era mandado por seus pais para servir de pajem na corte de outro senhor feudal.

Talvez por reputarem que, sob a férula de um outro senhor, mais elevado, ele seria educado de um modo mais varonil, do que com os carinhos do pai ou da mãe.

Então, ele era mandado cedinho para o castelo de um senhor feudal mais alto, para ali começar a se adestrar na guerra.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Montreuil-Bellay: equilíbrio de belicosidade, beleza e … penitência!

Posto chave para um belicoso, pecador e penitente senhor feudal
Posto chave para um belicoso, pecador e penitente senhor feudal
O castelo de Montreuil-Bellay é uma das mais vastas construções medievais hoje subsistentes, embora muito reformado durante os séculos.

Ele se espraia com ufania no coração da cidade forte – quer dizer rodeada de muralhas – que leva seu mesmo nome.

Na origem do castelo encontramos um homem muito característico dos primeiros séculos medievais: Foulques Nerra (965/970-1040), duque d’Anjou.

Ele foi um personagem de temperamento violento e de uma energia pouco comum. Nele ainda fervia o sangue dos bárbaros não há muito batizados.

Passou para a história como “um dos batalhadores mais agitados da Idade Média”, segundo o historiador Achille Luchaire.

Fazendo jus ao próximo sangue bárbaro, Foulques foi cruel. Mas aqui encontramos uma diferença com o bandido moderno.

Foulques tinha também um coração amante e um enlevo de criança pela pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo. E isso fez a diferença.

Já foi escrito que “seus remorsos estavam à altura de seus crimes”.

terça-feira, 9 de julho de 2013

Fortaleza de Consuegra: aparente brinquedinho, tremendo meio de defesa

Consuegra: sede da Ordem de Malta e cenário de batalha histórica
O castelo de Consuegra, na região de Castela la Mancha (Espanha), foi de início a fortaleza de uma importante cidade romana – Consabura – que possuía termas, muralhas, aqueduto e circo.

No século X, o líder islâmico Almanzor reergueu a fortaleza para garantir o domínio muçulmano nas comarcas vizinhas.

Porém em 1097, o líder Al-Mu'tamid cedeu o castelo ao rei Alfonso VI de Castela em virtude de um acordo.

A pose cristã durou muito pouco. Em agosto do mesmo ano, o rei perdeu o castelo na desastrosa batalha de Consuegra.

O castelo foi recuperado definitivamente no século XII e foi reconstruído pelos Cavaleiros Hospitalários de São João de Jerusalém (Ordem de Malta) em 1183. A fortaleza se transformou no priorado da Ordem para a região de La Mancha.

A estrutura do castelo é atípica. Está composto por um corpo central quadrado com uma grande torre cilíndrica em cada um de seus lados.