terça-feira, 18 de março de 2014

Castelo de Coca atravessa os séculos
com coragem e elegância


A primeira impressão que causa esta foto do castelo de Coca é algo de irreal. Tem-se a inclinação a dizer: “Não, este castelo não existe!”.

O artista soube fotografar a fortaleza numa hora de um contraste muito feliz: o céu sombrio e o castelo bem iluminado.

Céu sombrio, mas luminoso num ponto. Dir-se-ia que um raio acabou de estalar e ilumina magnificamente o castelo.

Uma construção tão grande, com tantas torres, tantos salões, tantas muralhas, que se diria que é um castelo incomensurável.

É um castelo de conto de fadas!


Pode-se imaginar seus salões, uma capela tão grande como uma catedral, salas de trabalho, salas de conversas políticas, dormitórios extraordinários.

Tudo com conforto para um número indefinido de personagens. Nobres que se encontram pelos corredores, fazem grandes reverências, saúdam-se com cerimônia, mas, ao mesmo tempo, cochicham, fazem política, etc. É a vida de todos os dias.

Foi construído com uma preocupação artística muito apurada.

Notem, por exemplo, as estrias brancas nas pedras. Na parte bem central, um torreão composto de um conjunto de torres coligadas.

O castelo lembra, sem dúvida, uma vida nobre e requintada, de mil delicadezas. Mas as delicadezas próprias à civilização cristã se deterioram se vividas num clima sem heroísmo.

Daí o aspecto de heroísmo do castelo, todo feito para combater, para resistir a longos cercos dos adversários.

Resistia-se com coragem, mas também com elegância, que consiste na leveza e distinção do guerreiro quando descansa.

Quem não é batalhador, quem não é polêmico, não tem verdadeira distinção nem verdadeira elegância.

Assim os nobres lutavam contra as investidas árabes, impedindo o avanço muçulmano na Europa.

(Autor: Prof. Plinio Corrêa de Oliveira. Excertos de conferência proferida em 5 de maio de 1984. Sem revisão do autor).


O Castelo de Coca, de estilo gótico-mudéjar espanhol, localiza-se na Província de Segóvia, no centro-oeste da Espanha a 135 km de Madri, a capital do país.

O local teve grande importância durante o Império Romano. Uma rica aristocracia da região regeu os destinos desse império no fim de sua história.

Os bárbaros visigodos extinguiram essa era dourada e mouros e cristãos disputaram aldeias e castelo.

No século XV o nobre Don Íñigo López de Mendoza, marquês de Santillana iniciou a construção do atual castelo.

Napoleão ocupou o castelo em 1808 e o transformou em quartel. As tropas revolucionárias saquearam e incendiaram a região, deixando o castelo em ruínas na hora de fugirem derrotadas pelos espanhóis.

Desde então não foi teatro de grandes acontecimentos.




GLÓRIA CRUZADAS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

3 comentários:

  1. Tinha que ter mesmo a mão sarracena por trás disso mesmo...rsrsrs
    Bjos de fadas
    http://lulopesfada.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Joana Benedita de Lima Moraes19 de março de 2014 13:52

    alindo!! Encantador! Amei tudo. Obrigada!

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.