quarta-feira, 18 de maio de 2022

Utilidade militar da torre de menagem

Torre de menagem do castelo real de Vincennes, Paris, França.  A mais alta da Europa: 50 metros. No fundo: a capela
Torre de menagem do castelo real de Vincennes, Paris, França.
A mais alta da Europa: 50 metros. No fundo: a capela
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Na Idade Média os castelos tinham uma torre no seu ponto mais alto e mais estratégico.

Essa torre era chamada pelos franceses de donjon, e em português se diz a torre de menagem.

Era a torre mais alta, mais sólida e inacessível.

E, no caso de o castelo ser invadido, a retaguarda que foi derrotada na defesa das muralhas se recolhia nessa torre.

Donjon do castelo de Septmonts, Aisne, França
Donjon do castelo de Septmonts, Aisne, França
À medida que as muralhas do castelo fossem assaltadas pelos invasores e que a ponte levadiça fosse abaixada, os invasores apertavam o cerco em torno de partes mais internas do castelo.

O último cerco era à torre de menagem, que continha todos aqueles que tinham resistido, mas que foram sendo dizimados e se refugiavam na última resistência.

Na torre de menagem havia andares cuja escada não era fixa como nas nossas construções, mas havia uma abertura, um alçapão, e a escada ficava no andar de cima.

Quando eles queriam, baixavam a escada para descer e depois suspendiam.

De maneira que se um invasor, por exemplo os muçulmanos, entrasse na torre de menagem, não tinha jeito de passar do andar de baixo para o andar de cima sem levar toda uma saraivada de flechas dos que estavam em cima na última resistência.

Torre de menagem do castelo de Vez, Picardie, França
Torre de menagem do castelo de Vez,
Picardie, França

Além de subir até ao alto da torre de menagem, de lá eles podiam soltar pombos-correio para todos os castelos aliados, avisando que estavam sendo assaltados e pedindo auxílio para os castelões aliados virem derrotar os sitiantes.

Além disso havia uma outra saída. Havia, embutida na parede da torre de menagem ou de outra qualquer forma, uma ligação invisível com um subterrâneo.

Esses subterrâneos eram longos e conduziam para lugares inteiramente diversos que os sitiantes não podiam imaginar.

Atuais portas do donjon de Vincennes pesam 700 kg
Atuais portas do donjon de Vincennes
pesam 700 kg
Ponte que liga o castelo ao donjon podia ser retirada, isolando a torre. Vincennes, Paris
Ponte que liga o castelo ao donjon
podia ser retirada, isolando a torre.
Vincennes, Paris

De maneira que, quando eles às vezes conseguissem conquistar a torre de menagem, os sitiantes chegavam em cima e encontravam o quê?

Vazio, porque à última hora os soldados e os cavaleiros que guarneciam a torre de menagem fugiam para longe.

Havia coisas terríveis, porque havia subterrâneos desses que calculadamente davam para areias movediças de praia, ou poços profundos.

Os perseguidores iam correndo atrás deles para pegá-los logo. E quando davam conta de si, eles já estavam com os joelhos na areia movediça.

Eram uns mortos-vivos, porque iam ser enterrados irremediavelmente pela areia. Ou caíam em algum poço escuro.



(Autor: Plinio Corrêa de Oliveira, palestra em 30/11/94, sem revisão do autor)


GLÓRIA CRUZADAS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

quarta-feira, 4 de maio de 2022

Saumur e a Torre do Templo: Civilização Cristã e Luz de Cristo

Très Riches Heures, setembro, Saumur

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O que é que é o Lumen Christi, a Luz de Cristo, se refletindo na Cristandade?

Consideremos a iluminura que representa o castelo de Saumur, com aqueles clochetons, aqueles lírios dourados, a multidão de torres, etc.

Ali o Lumen Christi faz-se sentir da mesma maneira do que na catedral de Orvieto? Ou, por exemplo, no interior da Sainte Chapelle?

Não. É uma outra coisa.

Na iluminura de Saumur nos vemos diretamente a ordem natural: esta é o elemento que mais atrai e solicita análise.

A ordem natural no que ela tem de belo, ordenado, reto, fala racionalmente de um Deus ótimo máximo pairando por cima do castelo.

 
Assim como na água benta paira a benção de Deus, assim também a graça pode, por analogia, agir através de símbolos naturais. E nos símbolos naturais nos vemos algo que é de Deus.

Trono de Santo Eduardo, Torre do Templo, LondresO trono de Santo Eduardo, por exemplo: “quanta doçura há nele! Quanta dignidade! Oh Santo Eduardo para quem esse troneto foi esculpido! Oh magnificência! Oh Rei!”

Comparem Santo Eduardo com algum dos ditadores furibundos ou dos presidentes amanteigados de nosso século.

Comparem com Hitler ou com Clinton. O que é esse trono de madeira como valor material em comparação com a mesa do tal “Salão Oval” da Casa Branca?

O que é aquele trono em comparação com quanta coisa que Hitler teve a seu serviço?

O trono medieval tem aquela ogiva que sobe, e tem aquelas coisas, tem aquela distância, a cor do carvalho, e alguma coisa mais que Santo Eduardo deixou nele e que se comunica até às imitações.

É a Luz de Cristo se refletindo num trono de matéria. É algo inimitável e impossível de ser produzido pelo simples ser humano. É obra da graça.

(Autor: Plinio Corrêa de Oliveira. Texto sem revisão do autor).


GLÓRIA CRUZADAS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

quarta-feira, 20 de abril de 2022

Graça e seriedade nos castelos medievais

Alcácer de Segovia, Espanha, castelos medievais
Alcácer de Segóvia, Espanha
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs









Pode se discutir se o claustro do mosteiro do Monte Saint Michel tem ainda mais espírito medieval do que a própria silhueta geral da abadia.

Ou até mesmo se é mais plenamente medieval que a catedral de Notre Dame de Paris; ou a de Burgos na Espanha.

Seja o que for, nessas obras encontra-se a expressão em pedra da razão, da lógica, do bom senso e da sabedoria.

Ou seja, de almas que, trabalhadas pela graça, se tornam capazes do equilíbrio e da logicidade total, expressa na Filosofia de Santo Tomás de Aquino.

quarta-feira, 6 de abril de 2022

Coca e o castelo ideal que está nos possíveis de Deus

Castelo de Coca: é como se acima dele pairasse um super-castelo.
Castelo de Coca: é como se acima dele pairasse um super-castelo.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O castelo de Coca, situado na província de Segóvia, Espanha, foi construído no século XV e é propriedade da Casa de Alba, uma das mais augustas famílias nobres da Espanha, que o emprestou ao Governo espanhol até o ano 2054.

Castelo de Coca: antiga ponte levadiça e grade defensiva
Castelo de Coca: antiga ponte defensiva e grade de ferro
Ele repousa num meandro do rio Voltoya, rodeado por um largo e profundo fosso.

Foi feito em tijolo por razoes decorativas, mas a pedra aparece em muitas partes.

O sistema defensivo prevalece sobre outras considerações e consta de três partes: o fosso e dois recintos amuralhados com torreões.

quarta-feira, 23 de março de 2022

Castelo feudal: residência de um pequeno “rei” local

Les Milandes, França
Les Milandes, França
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Na Idade Média, o rei era a personificação do Estado, a pessoa mais alta de toda a sociedade feudal.

Mas quando comparamos o rei da França com, por exemplo, o duque da Normandia ou com o duque da Bretanha, vemos nesses duques uma miniatura do rei.

Eles são, em âmbito menor, tudo aquilo que o rei é em âmbito maior.

E se considerarmos um nobre de categoria inferior, ele é uma miniatura do duque da Normandia.

E por esse processo, de miniatura em miniatura, chegamos até o último grau da hierarquia feudal.

No que consiste propriamente este laço feudal?

O rei de França, por exemplo, desmembrava seu reino em feudos, e dava a cada senhor feudal uma parcela do poder real de que ele era detentor.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2022

Achado de 300 armas medievais evoca era de paz e orden na Espanha

Castillo de La Estrella, reconstituição artística
Castillo de La Estrella, reconstituição artística
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs









O Castillo de la Estrella, em Montiel, Espanha, que foi fortaleza da Ordem de Santiago, continua a revelar tesouros escondidos.

Após a descoberta da estrutura de uma grande igreja outrora consagrada a Nuestra Señora de La Estrella, agora foi encontrado um depósito medieval de mais de 300 armas, informou a “Cadena SER” desse país. 

A descoberta foi feita na estrutura do templo de Nossa Senhora. Ela tinha uma sala onde foi possível aos poucos desenterrar uma grande variedade de armas defensivas e ofensivas do século XIV, que pertenceram aos cavaleiros da Ordem de Santiago.

O local foi reservado para alunos da Universidade de Castela-la Mancha (UCLM), que dedicariam seus estágios no verão europeu a trabalhos de investigação arqueológica.

Um primitivo castelo havia sido erigido no local no século IX pelos invasores muçulmanos. A fortaleza resistiu como baluarte muçulmano até a reconquista pelos cristãos, em 1228. Outros episódios bélicos relevantes aconteceram na fortaleza que ficou na posse da Ordem de Santiago.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2021

Chambord: a harmonia da variedade na unidade

Chambord, aérea, castelos medievais

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Veja o que é a arte!

Quem construiu esse castelo não tinha idéia de que ele pudesse ser visto desde o ar.

Maior palácio do vale do rio Loire, foi apenas um pavilhão de caça para Francisco I. Leonardo da Vinci teria sido responsável pelo desenho original.

Entre 1725 e 1733, Stanislas Leszczynski, rei deposto da Polónia e sogro de Luis XV, viveu em Chambord. Em 1745, como reconhecimento pelo seu valor de combate, o rei deu o palácio a Maurice de Saxe, Marechal da França.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2021

Maintenon: mero sonho ou quintessência da realidade bem vivida?

Maintenon foi sendo construído entre os séculos XII e XVII
Maintenon foi sendo construído entre os séculos XII e XVII
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O castelo de Maintenon, não longe de Paris, mais parece tirado de um sonho, ou de um conto de histórias fabulosas.

Porém é uma dessas realidades que passam a quintessência viva da realidade.

Bem entendido, quando a realidade não é deformada pelas monstruosidades modernas.

A construção do Castelo de Maintenon ocorreu entre os séculos XII e XVII.

A torre de menagem retangular e imponente é a parte medieval que se mantém em pé fidalga e desafiante até hoje.

Ela data do século XIII.

quarta-feira, 3 de novembro de 2021

Fontaine-Henry: antecâmara do Paraíso terrestre?

Castelo de Fontaine-Henry: antecâmara do Paraíso terrestre
Castelo de Fontaine-Henry: antecâmara do Paraíso terrestre
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




A Europa medieval foi um mito que se realizou.

A Religião Católica transformou um continente povoado de bárbaros e romanos decadentes em um seminário do Céu.

Os valores que os castelos encarnam são, no fundo, valores religiosos.

Porque eles são símbolos.

O lado simbólico é muito mais importante que o lado prático e que o lado estético.

É por isso que nos agradam tanto.

Símbolos do quê?

quarta-feira, 20 de outubro de 2021

O castelo de Guimarães: nobre, de proporções distintas, sem nada de agressivo

Castelo de Guimarães

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O castelo de Guimarães, em Portugal, localizado no distrito de Braga, tem uma certa nota da suavidade lusa.

É preciso ter estado em Portugal ou ter nas veias sangue português — e, por extensão, brasileiro — para poder saboreá-lo bem.

Esse castelo, todo de pedra, é um encanto.

Seu aspecto exterior é muito nobre, com desenhos bastante harmoniosos.

As proporções são muito agradáveis, sem apresentar nada de agressivo e sabendo guardar bem as distâncias e as hierarquias.

Para fazer uma comparação à maneira do turista moderno, sua dimensão equivaleria à área de uns três ou quatro campos de futebol.

quarta-feira, 6 de outubro de 2021

Montrésor: castelo resurgido das cinzas

Montrésor: um sonho feudal
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Montrésor é um castelo medieval que possui uma mansão renascentista dentro dos jardins.

Ele está localizado na cidade francesa do mesmo nome no departamento de Indre-et-Loire, na região melhor conhecida como Touraine.

Por volta de 1005, Foulques Nerra, conde de Anjou, deu um esporão que domina o vale do Indre para o capitão Roger le Petit Diable (“pequeno diabo”) ali construir uma poderosa fortaleza.

Sobre Foulques Nerra o grande construtor de castelos "cujos remorsos estavam à altura de sus crimes" CLIQUE AQUI

Montrésor teve um dos primeiros conjuntos construídos inteiramente em pedra, semelhante ao de Loches, e duas muralhas circulares.

Delas, só ficou a muralha oeste.

No século XII, quando Montrésor passou para as mãos do rei Henrique II da Inglaterra, foram construídas duas imponentes torres na entrada e uma parte da muralha norte.

quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Em torno do castelo se efetivou a promessa divina: “Procurai primeiro o reino de Deus e a sua justiça, e tudo o mais vos será dado por acréscimo"

Le Lude, França
Castelo de Le Lude, vale do Loire, França
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs









Desde a “motte” primitiva, não encontraremos no castelo nada que lembre príncipes românticos nem torvos tiranos.

Há apenas, porém no mais alto grau, o ambiente para uma vida austera, temperante e cheia de espírito de sacrifício.

Através dos séculos, enquanto o castelo evolui — de um lado tornando-se mais poético e cheio de encanto, e de outro mais severo e importante — a vida nele continua no mesmo teor.

Porque na Idade Média os homens viviam com os olhos postos no alto, na eternidade, em Deus, e a existência terrena era para eles apenas uma provação transitória, na qual deveriam ajudar-se mutuamente como membros da mesma família — a família de Deus.

quarta-feira, 8 de setembro de 2021

Vitré: super-castelo sublimado, reflexo de Deus

Para além da realidade, Vitré sugere um trans-castelo que existe numa trans-esfera
Vitré sugere um trans-castelo que existe numa trans-esfera além da realidade
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Vitré é um castelo-palácio fortificado na Bretanha, França.

O primeiro castelo, em pedra, foi construído no século XI pelo Barão Robert I de Vitré sobre um promontório rochoso que domina o vale do Vilaine.

Por volta do ano 1000 foi substituído por um castelo de madeira, até que no século XIII o Barão André III lhe deu a sua forma atual.

O domínio passou em razão de casamentos para a família dos Condes de Laval, que aperfeiçoaram as defesas da fortaleza.