terça-feira, 29 de agosto de 2017

Roquetaillade: 700 anos na posse de uma mesma família

Entre guerras e reformas o castelo ficou sempre com uma mesma continuidade familiar
Entre guerras e reformas o castelo ficou sempre com uma mesma continuidade familiar
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





O castelo de Roquetaillade fica em Mazères, na região da Gironda França. É constituído por duas fortificações, uma do século XI e outra do século XIV, uma perto da outra num mesmo recinto.

O palácio foi salvo no século XIX pela restauração de Viollet-le-Duc, que empreendeu igualmente importantes trabalhos de decoração e criação de mobiliário.

Roquetaillade encontra-se há 700 anos na posse de uma mesma família e foi aberto ao público em 1956.

O lugar foi habitado desde a pré-história. Grutas naturais e um pico rochoso eram favoráveis a uma instalação humana. Os numerosos “S” talhados, encontrados no lugar, testemunham essa presença.

No entanto, a menção a uma fortificação em Roquetaillade só surge pela primeira vez em 778.

Nessa data, Carlos Magno, a caminho dos Pirenéus com o seu sobrinho Rolando (o qual inspiraria a célebre La chanson de Roland, poema épico do século XI), reagrupou o seu exército em Roquetaillade.

E ali construiu com madeira uma fortificação que fazia lembrar os castros romanos. Foi o primeiro castelo de Roquetaillade. Uma construção por certo primária e transitória que deu a partida a reconstruções que chegaram até nossos dias.

Essa construção evoluiu ao longo dos tempos, tendo a técnica da pedra substituído a da madeira.

Roquetaillade cresceu incluindo novas torres, muralhas e outras construções defensivas.

Roquetaillade, Grade Salão do castelo, aquarela de 1848.
Roquetaillade, Grade Salão do castelo, aquarela de 1848.
A última construção foi a torre-porta, em 1305, única passagem entre o coração do castelo e a aldeia, chamada Castelnau, que se estabeleceu sob sua sombra protetora.

Não há dados dos senhores de Roquetaillade anteriores ao século XI, no qual aparece nos arquivos o nome La Mota (ou La Mothe).

A única certeza é que o castelo permanece propriedade da mesma família, do século XI até os nossos dias.

Em 1306, o Cardeal de la Mothe, sobrinho do Papa Clemente V, construiu uma segunda fortaleza em Roquetaillade. É o chamado: o “Château Neuf” (Castelo Novo).

Sua planta é quadrada, tem cinco torres, além de uma torre de menagem [estrutura central de um castelo medieval]. Esta construção aliava a arte militar e a necessidade de defesa, ao conforto.

Assim, Roquetaillade, como outros palácios do fim da Idade Média, foi dos primeiros exemplos de palácio/castelo-forte em França.

A Guerra dos Cem Anos poupou totalmente o castelo. Aliás, nessa época os senhores de Roquetaillade eram principalmente eclesiásticos, não envolvidos nesse conflito.

Tampouco as guerras de religião promovidas pelos protestantes calvinistas fizeram muito dano à região da Gironda. Somente a pequena comuna de Villandraut foi atacada pelos protestantes, que viam nela um símbolo papal.

Foi bem diferente com a Revolução Francesa. Movidos pelo ódio igualitário contrário à nobreza, bandos revolucionários democráticos de Bordeaux se dirigiram a Roquetaillade para demoli-lo.

O Marquês de Lansac mostrou então como a nobreza sabia interpretar a psicologia de todos, inclusive desses bandidos ideológicos. Acolheu-os no lugar, dobrou o soldo deles, e convidou-os a descer à cave do palácio para provar o seu vinho.

Os revolucionários acharam-no de tal forma bondoso, que abandonaram seu objetivo demolidor.

Quarto de dormir.
Quarto de dormir.
Roquetaillade sobreviveu às revoluções da história. Mas no século XIX viria a mais insidiosa dela: a Revolução da modernidade.

O castelo não era “moderno”, não afinava com as chaminés soltando fumaça da Revolução Industrial, era incompatível com a locomotiva, com o carro, com as linhas férreas e os viadutos.

Ficou abandonado e já no início do século XIX se encontrava em mau estado.

Mas com o renascer do interesse da população pelo “sonho medieval”, Roquetaillade tornou-se um dos primeiros edifícios medievais do Sudoeste a beneficiar-se da proteção do governo.

Por volta de 1850, a família Mauvezin, que o possuía, recorreu ao mais célebre arquiteto francês, Viollet-le-Duc, responsável pelo governo da restauração dos grandes prédios medievais.

Ajudado por Duthoit, um de seus alunos, ele passou cerca de 20 anos cuidando do restauro do palácio.

Ele se aplicou sobretudo na decoração do interior e do mobiliário.

A decoração de Roquetaillade, que se pode ver atualmente, é única na França e está classificada como monumento histórico.

O parque do castelo compreende os vestígios do recinto medieval com a barbacã, o riacho de Pesquey e as suas ribas, além de um chalé novecentista e o pombal do Crampet.


Vídeo: Roquetaillade : 700 anos de história de uma família










(Fonte: Wikipedia, Castelo de Roquetaillade)



GLÓRIA CRUZADAS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Um comentário:

  1. amoooo mandem sempre assim posso viajar ....

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.