terça-feira, 25 de setembro de 2012

Josselin: charme, requinte e amor à milenar história bretã

Castelo de Josselin renaceu várias vezes
Castelo de Josselin renaceu várias vezes

Na maioria dos casos, a história de um castelo está ligada intimamente à história de uma família, com seus altos e seus baixos.

É o caso também do castelo de Josselin e a família dos príncipes de Rohan, que o possuem até o dia de hoje.

O castelo de Josselin (Morbihan, Bretanha, França) foi fundado por Guéthénoc, visconde de Porhoët, de Rohan e Guéméné, da família dos condes de Rennes, por volta de 1008.

O local tinha grande importância militar e comercial, pois dominava o rio Oust.

A região é muito visitada pela romaria que se realiza desde o século IX à Basílica de Nossa Senhora de Roncier. É a maior romaria da região, depois da de Sainte-Anne-d'Auray.


O castelo passou por várias guerras. Chegou a ser demolido e suas ruínas cobertas de sal.

Porém, em 1370, Olivier V de Clisson reconstruiu uma imponente cidadela de oito torres, além de uma torre de menagem com 90 metros de altura.

Após guerras, conquistas e reconquistas, a duquesa Ana de Bretanha, que foi também Rainha da França, doou-o a Jean II de Rohan, descendente de Olivier de Clisson.

Castelo de Josselin e os príncipes de Rohan: matrimônio indissolúvel
Josselin e os príncipes de Rohan: matrimônio indissolúvel
Jean II de Rohan fez vir artistas e operários italianos, requintando a fortaleza.

Porém, os Rohan tiveram a infelicidade de aderir ao protestantismo, e durante as guerras de religião perderam o castelo para o duque de Mercœur, que o transformou numa base da Liga católica.

Em 1620, o primeiro ministro, cardeal de Richelieu, desmantelou a torre de menagem e mais quatro torres, visando limitar as ambições dos protestantes e reforçar o absolutismo real.

Porém, nada foi mais destruidor que a Revolução Francesa.

Ela transformou a fortaleza-palácio em prisão e depósito.

No período da restauração monárquica, a duquesa de Berry, da família real, convenceu ao duque de Rohan de restaurá-lo.

Atualmente o castelo é habitado pelo décimo quarto duque de Rohan, Josselin de Rohan.

Os príncipes de Rohan descendem de um filho ilegítimo de um Duque de Bretanha, senhores quase independentes desta região.

Os antigos Duques da Bretanha tinham inteira possibilidade de se casarem em nível de igualdade com a casa real.

Quando eles se fundiram com a Casa Real francesa passaram a integrar a Corte da França, subindo muito, porquanto obtiveram muitas posses e privilégios.

Os Rohan pertenciam à flor do creme da nobreza francesa e tinham a condição de príncipe estrangeiro, distinta da condição de duque de Par – a mais alta categoria dos nobres franceses –, que também possuíam.

Josselin era um castelo régio e os Duques de Rohan tinham no brasão os dizeres: “Roi ne puis, duc ne daigne, Rohan suis”. Quer dizer, “Rei não posso ser, príncipe não sou digno, eu sou Rohan”.

Castelo de Josselin: capela e castelo
Josselin: capela e castelo
Entretanto, o absolutismo real os foi promovendo e, paradoxalmente, abaixando.

Um príncipe com a história que tem essa família, vivendo no castelo de Josselin, projeta uma influência dominante em toda a região do Morbihan, como se fosse um rei local.

Infelizmente, os Rohan, abandonaram o convívio diário com os pequenos nobres locais – os quais eram a sua corte – para irem morar nas dependências do castelo de Versalhes, descolados de seu povo, de sua região e de sua história viva, definhando.

Passaram a viver em meio de outros nobres, iguais ou maiores do que eles, nas instalações esplêndidas do castelo do rei da França, como uma flor que foi cortada da planta e posta num vaso.

Esse processo concentrador, ou absolutista, pesou muito para a perda da personalidade, influência pessoal e prestígio das famílias nobres locais, facilitando o definhamento da nobreza que fez os castelos.





GLÓRIA CRUZADAS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.